Câmara de Palmas realiza primeira sessão ordinária do ano

por DICOM publicado 06/02/2019 13h30, última modificação 06/02/2019 13h47
Colaboradores: Paulo de Deus; Fotos: Aline Batista
Vereadores usaram a tribuna para pedir atenção da chefe do poder executivo em relação as obras de infraestrutura nos bairros de Palmas.
Câmara de Palmas realiza primeira sessão ordinária do ano

Primeira sessão ordinária do ano

Na primeira sessão ordinária do ano na Casa das Leis, os vereadores usaram a tribuna para pedir atenção da chefe do poder  executivo em relação as obras de infraestrutura nos bairros de Palmas. Os parlamentares também criticaram os altos preços cobrados pela empresa de saneamento no que concerne a cobrança da tarifa  de água e esgoto na capital, como também se posicionaram contra a proposta de aumento da passagem de ônibus coletivos.

O Vereador Lúcio Campelo (PR) destacou que, em breve, Palmas completará 30 anos, mas ainda está desassistida em termos de infraestrutura. O parlamentar garantiu o apoio para a gestão da prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB), contudo, solicitou atenção da prefeita para obras e serviços nos bairros da capital.

Já o vereador Felipe Fernandes (DC), reiterou que já apresentou projeto de lei para garantir gratuidade no transporte coletivo para presidentes de associações de bairros de Palmas. O parlamentar criticou o aumento da passagem de ônibus coletivos, que na sua opinião, é sem fundamento em razão do preço dos combustíveis ter caído. O vereador alertou e requereu à Secretaria de Infraestrutura, a conservação e a melhoria da feira da 304 Sul.

Vereador Diogo Fernandes (PSD)

Por sua vez, o vereador Diogo Fernandes (PSD), ao fazer uso da tribuna, disse ter apresentado Projeto de Lei para facilitar  a inserção de menores aprendizes  no mercado de trabalho e, ao ensejo, cobrou  também da Prefeitura e do Estado do Tocantins, a implantação de políticas públicas visando gerar renda e empregos para a população.

Por fim, o vereador Milton Neris (PP) discorreu sobre a elevada taxa de água e esgoto na capital, com elevados índices de aumento, muito acima da inflação oficial. Ele argumentou que a empresa responsável está cobrando por serviços que estão fora de suas responsabilidades, como também, cobranças de tarifas indevidas e abusivas.