Comissão de Urbanismo da Câmara Municipal abre discussão sobre problema de poluição no lago

por DICOM publicado 25/10/2018 09h35, última modificação 25/10/2018 10h37

“Vamos ser implacáveis com essa questão”, afirmou o vereador Tiago Andrino (PSB), presidente da Comissão de Administração Pública, Urbanismo e Infraestrutura Municipal, durante reunião que tratou do problema de mau cheiro enfrentado pelos comerciantes e frequentadores da praia das Arnos e moradores do Bertaville.

Na tarde desta quarta, 24, foi realizada uma reunião conjunta da Comissão de Administração com a Comissão de Políticas Públicas. Participaram da reunião representantes das associações de moradores e comerciantes dos locais afetados, bem como autoridades municipais e representantes da Marinha, Naturatins e Defensoria Pública. A principal ausência foi a da BRK, concessionária responsável pelo serviço de água e esgoto no Tocantins.

“Ninguém quer bater de frente com a empresa. A ideia é somar forças e chegar a um entendimento. A gente deseja que a força dessa empresa seja usada para o bem social. O principal encaminhamento de hoje é a convocação de uma audiência pública, porque com o prazo de 30 dias estamos certos de que a empresa poderá se organizar para se fazer presente. Além disso, vamos propor a criação do Conselho Municipal de Saneamento Básico forte, com todos os principais atores, em especial a sociedade, para que juntos possamos desenvolver e fiscalizar o Plano Municipal de Saneamento Básico”, afirmou.

O presidente da Associação de Moradores do Bertaville, César Cruz, disse que esse é um problema antigo, e que os moradores esperam uma solução. “O questionamento é a forma de tratamento. Nosso problema é o odor no Bertaville. Essa forma de tratamento é ultrapassada, a gente vem batendo nessa tecla há muito tempo. Procuramos o Ministério Público e infelizmente ele não nos assistiu. Foi quando procuramos a defensoria e hoje vemos o resultado. Precisamos de algo concreto, que chega de ‘vai fazer’”, pontuou.

Para a presidente da Associação Comercial da praia das Arnos, Elizabete da Silva, o prejuízo do mau cheiro no local já ultrapassa os R$450 mil se somados os rendimentos de todas as 28 barracas e o baixo movimento nos últimos meses.

“Desde a temporada que o comercio está praticamente fechado. Estamos com a demanda desde a época da temporada, nem existiu temporada. Foi a época mais precária. Alguns colegas já fecharam o estabelecimento porque a taxa de água e esgoto é muito alta e a energia também. Se o comercio não está funcionando como nós vamos pagar? Sem falar que foram muitos funcionários que foram dispensados. Está muito difícil pra nós. Somos fortes resistentes e nunca abaixamos a cabeça. E se a praia existe é porque nós damos estabilidade a ela”, reforçou.

Ao apresentar os encaminhamentos da reunião, o presidente da Comissão, Tiago Andrino, afirmou que, além da audiência pública e do Conselho Municipal, é preciso que seja fortalecida a fiscalização em todos os níveis para que seja preservada a saúde do lago e se evitem prejuízos, tanto imediatos, quanto a longo prazo. (Por Izabela Martins - Assessoria do Vereador)